jump to navigation

Sega CD, 32-X e o Mega Drive 26 26America/Bahia julho 26America/Bahia 2015

Posted by bluepasj in INUTILIDADES.
Tags: , , , , , ,
1 comment so far

Brutal Paws of Fury: Lançado originalmente no Sega CD, depois foi portado para os outros consoles. O jogo tem a jogabilidade muito ruim, mas  a empresa realmente queria que ele desse certo, por que o publicou em tudo quanto é console. O diferencial do mesmo, além dos lutadores animais, é que você aprende os golpes enquanto avança, logo não tem acesso aos golpes especiais desde o início. A versão do Mega Drive perde algumas coisas que a versão SCD tem, como um personagem (o Pantha), sons e sequencias em FMV, por exemplo. A jogabilidade, por sua vez, teve pequenas melhorias na versão MD. Já a versão 32X se chama Brutal Unleashed: Above the Claw. Ela tem dois personagens a mais, gráficos melhores, mas perdeu muitas coisas em relação à versão SCD.Brutal MD SCD 32X

Chuck Rock/Chuck Rock 2: Criado pela Core Design, que mais tarde viria a criar Tomb Raider, CR é um jogo pré-histórico portado pela Virgin para o MD e pela Sony Imagesoft para o SCD. Ambos tem muito poucas melhorias no Sega CD em relação ao Mega Drive.
Chuck Rock MD SCD

Chuck Rock 2 MD SCD

Earthworm Jim: A versão do Sega CD, chamada Special Edition, tem as fases estendidas em uma nova acrescentada e mais frames de animação, além da sonoridade de CD que todos os jogos de SCD apresentam.Earthworm Jim MD SCD

Ecco the Dolphin/Ecco 2 Tides of Time: A versão SCD do primeiro apresenta novos níveis e os originais redesenhados. Já o segundo teve menos mudanças em relação ao MD.Ecco the Dolphin MD SCD

Ecco 2 MD SCD

Fatal Fury 2/Fatal Fury Special: A versão do SCD é o port de uma versão que traz de volta personagens (Duck King, Tung Fu Rue) e te deixa jogar com os chefes. Tirando isso, há frames demais perdidos nos personagens e nos cenários, tornando FF2 um port melhor. O que se explica pelo fato de que os ports foram feitos por empresas diferentes.Fatal Fury 2 - Special MD SCD

Fifa International Soccer/Fifa Soccer’ 96: Internation para Sega CD é traz poucas coisas a mais que a versão MD, como músicas arranjadas. Mas também traz problemas como loadings (que existem em quase todos os jogos do consoles) e um visual ‘lavado’. Já o Fifa 96 do 32X foi lançado apenas na Europa, feito pela Probe e é um jogo em 3D. Considerando o que era o 3D naquela época, e as baixas capacidades do 32X, é de se esperar que ele não seja tão bom. Animações e câmeras ruins e uma inteligência artificial inconstante sumarizam esse jogo.
Fifa International MD SCD

Fifa Soccer 96 MD 32X

Flashback: The Quest for Identity: A melhor versão do jogo até o momento. A versão SCD usa suas capacidades para FMV criando videos animados bastante melhores que os do MD. Há vozes e músicas, também, nessa versão.Flashback The Quest for Identity MD SCD

Mickey Mania: Timeless Adventures of Mickey Mouse: A versão CD desse, além de músicas em CD e mais vozes (e loadings) também tem uma fase a mais. E essa fase é boa. Fora isso, é exatamente o mesmo jogo.Mickeymania MD SCD

Mortal Kombat/Mortal Kombat 2: Há mais detalhes na versão Mega CD de MK, mais frames de animação e mais vozes, mas as músicas estão nos estágios errados. Os loadings dessa versão não são tão intrusivos quanto em outros jogos do sistema, mas na luta final contra Shang Tsung, toda vez que o mesmo se transforma há um loading. Já o port do 32X de MK2 é muito bom, com gráficos bastante melhor e, também, sonoridade bastante melhor. E mantendo a jogabilidade fluida característica do MD.Mortal Kombat MD SCD

Mortal Kobmat 2 MD 32X

Pitfal: The Mayan Adventure: A versão SCD e a MD são basicamente a mesma coisa incrível, exceto por fases extras. Já no 32X existe apenas uma fase extra e os gráficos são um pouco melhores.Dito isso, o framerate da versão 32X é problemático.
Pitfall MD SCD 32X

Road Rash: No Sega CD os gráficos são melhores, com detalhes extras e mais variedade adicionada. Variedade também foi adicionada nos modos de jogo, expandindo o jogo.Road Rash MD SCD

Samurai Shodown: Não parece ter diferenças consideráveis, apesar de ser um port mais fiel do acade (como pode-se ver na tela abaixo). Ela também não tem o personagem Earthquake, devido provavelmente a uma limitação de tamanho de sprite que geraria slowdown. E ela também não tem o zoom do arcade, o que acho uma omissão inesperada.Samurai Shodown MD SCD

Spider-Man Vs. Kingpin: Há muitas melhorias na versão CD em relação ao jogo original do Mega Drive. E isso vai além da melhoria sonora e gráfica. Apesar disso, a versão MD ainda tem elementos inexistentes nessa versão, como a possibilidade de tirar fotos e ir à casa de Peter Parker. Mas a versão de SCD é diferente, principalmente, por ser mais não-linear.Spiderman Vs. Kingpin MD SCD

s web of fire 32xJá o 32X só ganhou o não-tão-memorável Spider-Man Web of Fire, que está aqui apenas para motivos de completude pois é um jogo diferente, e apesar de decente, é terrível se comparado aos vs. Kingpin.

Virtua Racing: A versão 32X, chamada Deluxe, e ela tem três tipos de carro: fórmula-1 (o único existente na versão MD), stock-car e protótipo. Essa versão apresenta, ainda, melhores gráficos, jogabilidade, e mais visões de câmera.Virtua Racing MD 32X

Sega CD e 32X 29 29America/Bahia janeiro 29America/Bahia 2012

Posted by bluepasj in DUALIDADE, dym, LISTAS, REVIEW.
Tags: , , , , , , ,
2 comments

sega cd sega 32xSega CD

O acessório é nada mais que um drive de CD que se acopla ao Mega Drive para, assim, nos aproveitarmos da capacidade de armazenamento maior da mídia CD. Lembrando que a Nintendo iria fazer o mesmo com o Super Nintendo, e sua parceira nesse projeto seria a Sony (o começo da história do Playstation). O Sega CD nasceu a partir das desavenças entre a Sega americana e a japonesa e projetos paralelos para a criação do sucessor do Mega Drive. Há ainda uma teoria de que o Sega CD tenha nascido para competir com o PC Engine CD no Japão. E, embora haja seus defensores, eu particularmente acho o Sega CD muito mais fraco do que deveria ter sido por usar uma mídia de CD. E ainda mais que a Sega aproveitou muito mal a oportunidade e a maioria de jogos lançados para o Sega CD são filmes interativos, não são games de verdade. Ainda assim, algumas coisas se sobressaem. Sonic CD, por exemplo, com sua abertura em anime muito bem feita e seu conceito único de mudanças nas fases através de placas que te fazem viajar no tempo instantaneamente. Apesar disso, Sonic CD é um jogo de fases pouco inspiradas e que perde muito para seus concorrentes do Mega Drive. Tem também RPGs que se tornaram famosos, como a série Lunar (Lunar e Lunar 2), essa sim aproveitando a mídia de CD muito bem, com belas animações e sons. Outro RPG a ser lembrado é Vay. Mas a verdade é que, além disso, não existe muito no Sega CD, nem o bastante para justificar sua existência. Versões definitivas de jogos também apareceram por aqui, como a melhor conversão de Final Fight. Mortal Kombat (1) também teve uma versão SCD. E ainda Misadventures of Flink, conversão do jogo de Amiga. Snatcher é um jogo aclamado do SCD, um jogo criado por Hideo Kojima, criador do Metal Gear. E um jogo esquecido pelo tempo. Flashback é ainda outro que apareceu no Sega CD. Parece que, embora a Sega tenha lançado o 32X e o Sega CD, o Sega CD recebeu muito mais suporte, tendo sido lançados para ele muito mais jogos das séries principais. E mesmo assim as versões de jogos do Sega CD apresentavam pouca ou nenhuma qualidade e o 32X surpreendia para o bem. Earthworm Jim (que é um desses jogos que já apareceram em tudo quanto é lugar) também deu as caras por aqui. E Popful Mail (que já havia sido lançado sonic_cdno Snes) apareceu em melhor conversão aqui, sendo o melhor jogo do SCD. Jogos de luta aclamados da SNK como Samurai Shodown e Fatal Fury. Além disso, muitos jogos foram portados do MD para o Sega CD sem mostrarem a que vieram, como BatmansChuck Rocks. Teve também Shining Force CD, um remake de Shining Force Gaiden 1 e 2 do game Gear (com ainda uma continuação oficial da história destes) Esse Shining Force requer o Sega CD Backup RAM Cart para ser salvo. Entretanto, o que talvez seja o jogo mais conhecido do SCD é um shmup chamado Silpheed. E a versão que presta um pouco do jogo de luta 2D da Sega, Eternal Champions: Challenge from the Dark Side, que mostra que essa poderia ter sido uma das melhores séries dos games, se tivesse sido continuada. Por fim, teve ainda Spiderman vs. Kingpin em uma versão absurdamente melhorada e que é um jogo excelente do Homem-Aranha. O Sega CD teve ainda, lançado para ele, como foi lembrado nos comentários, a continuação não-canônica de Out of this World/Another World chamada Heart of the Alien.

32X

Antes é necessário esclarecer que, contra certas correntes de pensamento, o 32X não foi uma burrada da Sega (o mesmo eu não digo do SCD). Isso de melhorar consoles já existente é muito comum. O próprio Nintendo 64 tem os Expansion Packs e o Saturn também tem. Computadores  também ganharam add-ons. O que eu acredito é que a Sega poderia ter dado mais suporte ao 32X.  Aí sim ele teria valido alguma coisa. Me atinge o fato de que não foi lançado nenhum Sonic para 32X, porque os gráficos do Knuckles Chaotix e do Tempo são fantásticos. Eu preferia que tivesse saído um Sonic no 32X do que do Saturn (pronto falei) porque no Saturn não teria como não ser 3D e eu preferia 2D. E os outros jogos lançados para o 32X mostram que ele poderia ter feito coisas muito boas, e isso porque ele não deve ter chegado nem a 1% da capacidade que ele tinha. Sim, porque os videogames vão sendo destrinchados cada vez mais conforme o tempo. Pode-se ver uma clara evolução técnica entre o 1º e o último Sonic lançados para Mega, entre o primeiro e o último Mario lançados para o Snes. Sonic the Hedgehog e Sonic the Hedgehog 3, Mario World e Mario World 2, Resident Evil e Resident Evil 3… as empresas vão aprendendo a trabalhar melhor com o sistema. Ao 32X não foi dada essa chance. Porque o 32X me surpreendeu positivamente. Mesmo não usando CD, apresenta muito mais do que seu concorrente Sega CD. Os jogos do 32X, muitos deles, parecem jogos do começo de vida do PSX. Eu imagino se tivesse sido dado mais tempo de vida ao 32X (e consequentemente ao meguinha) e assim a Sega tivesse tido mais tempo para trabalhar no Saturn. A própria Nintendo, que concorria diretamente com a Sega na época, ainda não tinha largado o Snes ainda… Aí jogos que foram lançados para o Saturn e não demonstraram o salto de plataforma poderiam ter saído no 32X. Estou falando de Dark Saviour, continuação do Landstalker; e Legendo of Oasis, seqüência de Beyond Oasis. Se  Sega tivesse ‘assumido’ o 32X ou o SCD, um deles poderia, sim, ter sido um sucesso. Com Phantasy Star, Sonic, Virtua Fighter… a Sega poderia conseguir demonstrar o poder desses consoles e então atrair 3rd parties. Que, aliás, estiveram com ela no Mega o tempo todo. Assim poderiam haver mais Splatterhouses da Namco, mais Disney’s da Virgin, mais Street Fighters da Capcom, mais Wonder Boys da Westone, mais RPGs da GameArts, mais pérolas técnicas da Treasure. Tempo, por exemplo, um platformer absurdamente impressionante para o add-on. Versões aprimoradas dos jogos de Mega Drive também apareceram aqui, como a versão definitiva do MK2 nos 16-bits (se se pode considerar o 32X um 16-bit), o Mortal Kombat 2-32X. Também a versão definitiva Virtua Racing Deluxe. E Virtua Fighter também apareceu aqui, numa versão obviamente mais fiel do que a do console de cartucho. Houve também um título de corrida chamado BC Racers, que eu considero muito interessante. Pitfall é outro que apareceu em grande estilo no 32X, mas numa versão pouco diferente da de Mega e Snes. Houve ainda Knuckles Chaotix, o único (infelizmente) jogo da tempo 32xturma de Sonic para o 32X. nele você controla Knuckles, que está ligado por um anel magnético a um amigo, usando assim um sistema de tag. É um bom  jogo, meio estranho, mas funcional. Teve também um jogo do Spiderman do qual todo mundo fala bem, mas eu não vi nada de mais. Doom (FPS), que já fora lançado para o Snes, foi outro que teve uma versão superior no add-on da Sega. Blackthorne também teve uma versão levemente melhorada no 32X. Infelizmente isso significou que ele não foi portado para o Mega. Teve o jogo de tiro (shmup) estranho/original Kolibri. E o jogo que mais mostra as capacidades 3D do 32X, Metal Head.

Update. Uma coisa há mais a ser dita. Quando esses “consoles” foram lançados, muitos jogos que eram para sair no Mega Drive, foram movidos para eles (principalmente o 32X). Então é mais um fator na balança. Doom, por exemplo, não tem uma versão Genesis por que foi transferido para o 32X. Phantasy Star, até certa parte de seu desenvolvimento, era para ser um jogo de Sega CD. Talvez se tivesse sido pensado desde o princípio como um jogo de Mega, teria aproveitado mais as capacidades do console. E não teríamos perdido muito (talvez a versão CD de Eternal Champions) sem esses add-ons. Talvez até Tempo viesse ao Mega. Talvez a GameArts achasse seu lar no Mega ao invés do SCD (improvável; e talvez ela achasse seu lar no Snes). Minha opinião definitiva é de que o SCD não deveria ter existido, nem o 32X, mas sim um dos projetos do 32X que podem ser vistos nessa matéria do SegaBase. Um add-on mais modesto, não tão poderoso quanto o 32X, tipo como se fosse um chip-no-cartucho do Snes, só que um que você só compra uma vez. E o Saturn deveria ter sido adiado. Ah, na matéria supra-citada e na matéria do SB sobre o SCD, fica claro que o 32X tinha metade do preço de um console, e o SCD era bastante caro. Por mais isso, eu acho que o 32X era uma boa idéia. Apesar de que o Saturn estava muito próximo, então o 32X jamais sobreviveria se o Saturn não fosse adiado (como não sobreviveu). E poderia ter sido adiado, já que o Snes ainda tinha suporte quando o Mega Drive já tinha sido descontinuado. Além do mais, se o Saturn tivesse sido adiado e o 32X assim tivesse mais tempo de vida, teria tido mais suporte das 3rd parties. Por exemplo, havia uma versão de Street Fighter para 32X nos planos da Capcom e o Castlevania Bloodletting, jogo que seria lançado pela Konami pro 32X. Eu imagino que iriam ficar muito boas, com todo o potencial do add-on. Mas claro que o 32X iria dar ainda mais certo se fosse menos poderoso, por que aí ele iria ser ainda mais barato (e de qualquer forma mais poderoso que o Snes). Claro, eu ainda acredito que o 32X, mesmo poderoso e caro como era, poderia ter dado certo.

Como se deu o fim do Mega Drive 5 05America/Bahia fevereiro 05America/Bahia 2011

Posted by bluepasj in CURIOSIDADES, dym, GENESISTÓRIAS.
Tags: , , , , , , ,
5 comments

Muitas pessoas se surpreendem com o fato de o Mega Drive/Genesis ter terminado seu ciclo de vida em baixa. Eu não. Me surpreendo muito mais com o fim do Dreamcast (alguém pode me explicar esse?) do que com o do Mega.

Pra começar, o ciclo de vida de um console costumava ser de 5 anos, então o Mega já estava bem velhinho. Foi lançado em 1988/1990 e esteve por muito tempo em 1º lugar em muitos lugares, principalmente devido a Sonic, o ouriço.

Sega Mega DriveNintendistas costumam dar mérito a Donkey Kong Country pela gif8queda do Meguinha. Mas DKC é só um dos inúmeros games de qualidade lançado tanto para o Snes quanto para o Mega naquele ano. E o que de fato ajudou a Nintendo foram os acordos de exclusividade que ela obrigou empresas importantes como Capcom e Square a assinarem para poder fazer jogos para o Snes. Claro que, como a Nintendo era bem mais tradicional no mercado de games e tinha o poderoso Mario, nenhuma outra empresa iria negar.

md-virtua-coverO fato é que a Sega praticamente sozinha mantinha o Mega Drive (ainda faço um post sobre isso). Só que ela meteu os pés pelas mãos. Tudo começou com o cartucho Virtua Racing, o jogo de corrida port de arcade, que usava o chip gráfico SVP (Sega Virtua Processor) para criar imagens poligonais. Mas o cartucho ficou muito caro por causa disso. Então o que a Sega faz? Decide lançar um SVP separado como um acessório, para que o consumidor só precisasse pagar pelo chip uma vez. Esse é o 32X. Mas a ambição falou mais alto e eles fizeram do 32X uma coisa muito mais robusta, praticamente um novo videogame. Essa robustez toda cobrou um preço e o 32X era muito caro.

32x_2

Para complementar as mancadas da Sega, a parte japonesa e a americana ficaram incumbidas de fazer, cada uma, sua versão do videogame que substituiria o Mega. Daí, nasceram Sega Saturn e Sega Cd, porque mesmo um dos dois projetos sendo escolhido, o outro não foi descontinuado. Falha de comunicação entre os dois lados da Sega.

Sega-CD-model-2

cd 32xDisso resultou que, no fim de vida do Mega Drive, a Sega estava suportando Saturn, Game Gear, Mega Drive, Arcades, Sega-CD, 32X e até ainda o Master System em certos lugares. Como era ela que praticamente fazia tudo do Mega, foi facílimo pra Nintendo tomar a dianteira. Pior que a Sega, com tantos videogames, nem era capaz de atrair produtoras 3rd party suficientes para tudo isso. Porque a credibilidade dela estava abalada.

Sem um rumo definido, sem saber no que se focar, nem o SCD, nem o 32X tiveram atenção. Pouco depois disso, a Sega se voltou completamente para o Saturn. Que era outro erro.

Não tinha como saber que a próxima geração teria como foco os gráficos poligonais e 3D. foi a entrada da Sony no mercado de games que gerou isso. E, de última hora, o Saturn, antes feito para jogos 2D apenas, foi porcamente transformado em uma máquina 3D. mas o 3D do Saturn definitivamente não era bom. Mas o foco desse blog é outro.

Então, Donkey Kong Country foi uma série importante porque, a partir de uma ideia simplérrima, fez parecer que o que o Mega precisava de vários add-ons para fazer, o Snes fazia sem nada. Nem é verdade. Tanto é que a maioria dos games de Snes que são surpreendentes tem algum chip especial. Nenhum game de Mega tem algum chip especial (só o Virtua Racing). Assim acho que fica fácil entender que a queda do Mega não foi culpa dele, mas exclusivamente da Sega. Nem sei como depois ela conseguiu lançar um videogame tão bom como o DC. E antes de toda essa bagunça parafernalhosa da Sega, o Mega estava indo muito bem obrigado. Prova é que os últimos games lançados para o Mega foram simplesmente fantásticos!

Bom, mas mesmo assim, até hoje é um videogame respeitado e preferido de muitos.