jump to navigation

Feliz Dia do Amigo! 20 de julho de 2017

Posted by bluepasj in INUTILIDADES.
Tags:
add a comment

friendship

Mega Drive vs PCs da Época 24 de abril de 2017

Posted by bluepasj in DUALIDADE, GENESISTÓRIAS, INUTILIDADES.
Tags: , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

É uma curiosidade comum das pessoas saberem como os consoles caseiros de videogame de cada época se comparam aos PCs equivalentes. Sei lá, me bateu essa curiosidade, então decidi pegar umas imagens no MobyGames comparar. Até por que eu nasci no mesmo ano que o Mega, não posso dizer que vivi a época e definitivamente eu não tive um PC até muito tempo depois. Mas aos que viveram… e aos que não viveram também… aproveitem. Lembrando que as imagens do Mega Drive em todas as comparações são as da direita (->).

old pcs

Sharp X68000

O X68000 foi lançado em 87, um ano antes do lançamento japonês do Mega Drive. Como se pode ver, ele compara positivamente ao MD e é de fato mais poderoso. E um dos mais caros também. O processador dele é um da Hitachi baseado no Motorolla 68000. Inclusive uma versão dele teve o Motorolla propriamente dito, o mesmo processador do MD. Inclusive os produtores de Thunder Force II, em entrevista que até já publiquei aqui no DYM, disseram que um dos motivos para decidirem fazer jogos para MD é que faziam jogos para o X68000 e seria uma transição fácil pois “o X68000 compartilha a mesma CPU e chip de som FM do Mega Drive”. md-68000- 2md-68000

Fujitsu FM Towns

Nascido em 89, era um PC japonês. Também é um dos PCs mais potentes de sua época e segundo o site Giantbomb apenas o X68000 rivalizava.

md-fmtowns

PC-98

Vários PCs japoneses da série PC98000 foram lançados pela NEC de 1982 até o ano 2000.

md-pc98

Windows 3X

3X é a designação dada ao sistema operacional Windows 3.0 e seu sucessor Windows 3.1X. O Windows 3 foi a primeira versão do Windows a fazer sucesso.

md-win3x

PC Amiga

Linha de PCs da Commodore lançada de 1985 a 1994.

md - amiga

Amstrad CPC

Sendo um pouco defasado já à época do MD, é um 8-bit lançado em 1984 e descontinuado em 1990. Mas teve ports de alguns jogos que também estiveram no MD, como se vê abaixo.

md - amstradcpc

Apple II

Lançado em 1977, tendo várias revisões posteriores (como Apple II Plus, Apple IIe e Apple IIGS).

md - appleii

Atari ST

Linha de PCs 16-bits lançada em 1985, o primeiro teve como processador o Motorolla 68000.

md - atarist

Commodore 64

O 8-bits C64 foi lançado em 82 e fez muito sucesso nos anos 80.

md - commodore

Macintosh

Feitos pela Apple, o primeiro Macintosh foi lançado em 84.

md - macintosh

ZX Spectrum

O Sinclair ZX Spectrum foi um 8-bits lançado em 1982 no Reino Unido.

md - zxspectrum

DOS

Sistema operacional bastante popular antes do advento do Windows.

md-dos

Os Maiores Cartuchos do MD 8 de setembro de 2016

Posted by bluepasj in GENESISTÓRIAS, INUTILIDADES, LISTAS.
Tags: , , ,
add a comment

A título de curiosidade, vou estar listando os maiores jogos do MD. Só os mais maiores mesmo, por que senão a lista fica muito grande. São os jogos que tem mais conteúdo enfiado dentro do cartucho, mas não necessariamente os melhores, inclusive alguns são terríveis. E vou comentar alguns que eu achar que tenho algo a dizer. Mas não é a quantidade que faz um jogo bom. Inclusive é notável a ausência de qualquer Sonic na lista.


40-meg-super-street-fighter-2Super Street Fighter 2 The New Challengers
40 Megabits
-É impossível dizer que não houve esforço por parte da Capcom em portar esse jogo para o MD. Quanto maior o tamanho do cartucho, maior o custo do mesmo, o que significa menos lucro. E mesmo assim a Capcom fez esse cart gigante. Talvez também pra poder imprimir a quantidade na capa, como muitos faziam na época, como forma de marketing. Eu acredito que grande parte desse conteúdo são os áudios, já que os arquivos de áudio do MD tendem a tomar tamanhos maiores do que de videogames concorrentes. E SSF2 tem vozes surpreendemente boas, especialmente se comparadas às da versão anterior, Special Champion Edition.

Os jogos a seguir tem 32 Mbits:
Beggar Prince
-Jogo que até muito pouco tempo atrás era exclusivo de Taiwan, até ser traduzido pelo grupo Super Fighter Team para inglês. Trata-se de um RPG.
College Slam
Duke Nukem 3D
-Port do FPS da 3D Realms, que de maneira nenhuma devia rodar no MD, e não roda satisfatoriamente mas é impressionante mesmo assim. Feito pela nossa brasileira Tec Toy.
Frank Thomas Big Hurt Baseball
Jurassic Park Lost World
Mortal Kombat 3
NFL Quarterback Club 96
Pocahontas
Revolution X
Saturday Night Slam Masters
Toughman Contest
Ultimate Mortal Kombat 3
Toy Story
Triple Play 96/Gold
Virtua Fighter 2
WWF Wrestlemania
X-Perts
-Spin-off de Eternal Champions, é um beat ‘em up e, a despeito do tamanho, é uma porcaria.

pier-solar-mode-7Pier Solar and the Great Architects64 Mbits
-Jogo atual de RPG feito inteiramente do zero e lançado para o MD em formato de cartucho pela empresa WaterMelon. É o maior cart do MD, inclusive usa efeitos extremamente similares ao mode 7. E também pode-se jogar ouvindo áudio de CD usando um Sega CD.

Fontes: Mega Drive .Net

As Limitações Do Mega 2 de fevereiro de 2016

Posted by bluepasj in dym, GENESISTÓRIAS, INUTILIDADES.
Tags: , , , ,
1 comment so far

Nesse post eu gostaria de falar das limitações do Mega Drive e de como elas afetam os jogos. Mas pra começar, antes vamos falar por que essas limitações não diminuem ele de maneira nenhuma.

O jogo de lançamento foi Altered Beast, e essa é a versão Arcade do jogo:
654519-altered-beast-arcade-screenshot-beat-up-the-baddies
Ele também saiu para o videogame anterior, o Master System. Esse é o salto visto pelos jogadores na época, da geração anterior para a nova.
abeastMas Altered Beast talvez não seja o melhor exemplo. Aqui está Kenseiden, um dos jogos mais impressionantes do 8-bit da Sega.
76022-kenseiden-sega-master-system-screenshot-an-undead-skeletonE, abaixo, Last Battle, um dos primeiros jogos a sair para o Meguinha.
115749-last-battle-genesis-screenshot-aarzak-is-attacked-from-all

E o Mega fez coisas muito mais impressionantes, não nos seus últimos anos, mas pouco tempo depois de lançado. Em 89, o ano de lançamento nos EUA e um ano depois do lançamento japonês, já saiu Golden Axe.

gaxe

Arcade -> MD

(mais…)

As Diferentes Capas Nas Diferentes Regiões 29 de julho de 2015

Posted by bluepasj in CURIOSIDADES, dym, INUTILIDADES.
Tags: , , , , ,
add a comment

Na época dos 16-bits, as capas dos jogos tinham uma importância muito grande em dar uma primeira impressão do jogo aos potenciais consumidores. Por que os jogos ainda não podiam mostrar todo o potencial da arte e por que não existia tanta facilidade de obter informações assim. E, sendo assim, as capas serviam o propósito de atrair os compradores.

Isso fica evidente nas mudanças feitas nas capas entre as diferentes regiões, as três principais sendo Japão, Europa e Estados Unidos. Essas mudanças eram feitas para que os jogos pudessem vender mais em diferentes regiões, de acordo com as sensibilidades locais. Vamos comparar algumas.

Vale mencionar que as capas que chegavam no Brasil geralmente eram as norte-americanas.A

Gostei de ambas as capas do Aladdin, mas a americana (direita) é mais vibrante e por isso é mais bonita pra mim. Nela fica evidente, também, uma tendência. As capas japonesas são mais “adocicadas”, enquanto as americanas são mais cheias de ação e cara-de-mau.
BO

Beyond Oasis, que tem o nome Story of Thor nas regiões não-americanas, tem três capas bem diferentes. Em ordem: japonesa, americana e européia. Minha opinião: a japonesa (original) é a melhor. Esse “reboot realista” que fizeram na capa americana não combina com o jogo e não diz nada sobre o mesmo, enquanto a capa européia é totalmente cliché, embora bonita.
CB

Castlevania Bloodlines, originalmente nem se chamava Castlevania, mas sim Vampire Killer. Não achei nenhuma das duas capas muito bonitas, mas como o jogo tem um clima bem europeu, a capa original (esquerda) tem muito mais a ver do que esse amálgama aleatório que é a capa americana.Column-Mega-Drive-Genesis-cover-art

Outra capa original muito melhor. Quer dizer, a capa americana (direita) não é atraente e é muito óbvia! A japonesa traz um “algo mais”, enquanto a americana, sério, quem fez isso se considera um designer? Mal houve pensamento envolvido.GA

GA2

Ambos Golden AxeGolden Axe 2 apresentam apenas diferenças de artwork entre as capas japonesas originais (esquerda) e as americanas. O conceito é o mesmo: pessoas desnudas num ambiente medieval. E dragões. Dito isso, prefiro as americanas. No GA, a capa americana dá muito mais ênfase à arte principal, por que ela é maior; e no 2, a americana tem traços melhor definidos e melhor uso de cores (mas erraram a cor da roupa do anão). Minha opinião. Kid-Chameleon-Mega-Drive-Genesis-box-art

Talvez a capa americana do Kid Chameleon tenha mais a ver com a atitude do personagem principal do jogo. Mas mesmo assim eu prefiro o design dele na arte japonesa (esquerda). Já o resto da arte é igual nas duas versões e a americana é melhor, pois aparenta mais ter valor de produção, ser mais produzida.L

Já Landstalker tem o protagonista bravo nas duas capas, talvez pra mostrar que ele é meio anti-herói. Mas não sei quem é esse senhor idoso com virilha super-desenvolvida, feições tortas e espada brilhante da capa americana (direita). è difícil de acreditar que seja o Nigel, o personagem principal do jogo. Vou colocar um foto in-game dele no fim da postagem pra vocês verem do que estou falando. Pra completar, tem informação demais na capa americana. A japonesa, por tudo isso, é muito superior.LC

Quase a mesma coisa do caso acima. O jogo tem esse clima mais europeu da capa original (esquerda), enquanto a capa americana deveria estar na caixa de Exterminador do Futuro ou Evil Dead.
LK

Ambas a capa americana (esquerda) e européia são bonitas. Eu particularmente prefiro a capa minimalista européia, mas acho que se fosse pra ser imparcial eu deveria escolher a americana, por que ela deixa muito mais claro do que se trata o jogo, e especialmente se tratando de um jogo licenciado, a África genérica da capa européia parece não encaixar.PS2

Eu não sei quem fez essa capa americana, mas ficou horrível e vaga. Na verdade, a foto da direita é da capa brasileira, como se pode ver pelo logo Tec Toy, mas é igual à americana. Já a capa japonesa, por mais que seja misteriosa, combina muito mais com o jogo.PS3

Nenhuma das duas capas de Phantasy Star 3 se salva. A japonesa (esquerda) é totalmente genérica e só tem um personagem. O ponto alto dessa capa pra mim são os pilares formando as letras. Já a americana até que tem umas cores bonitas, mas é muito bizarra. Só posso imaginar que aquela coisa é a Mother Brain (?). Eu não sei o que essa capa americana quer dizer, eu desisto.PS4

A capa de Caverna do Dragão, er, quer dizer, Phantasy Star 4 apresenta muito bem a personagem feminina na capa japonesa (esquerda). Espera, o personagem principal é um homem. Aquilo loiro na capa japonesa é suposto de ser o Rhys. A americana não se sai muito melhor. Ambas usam a Rika na capa ao invés da Alys, simplesmente por que ela mostra as pernas. Nenhuma delas tem nada de sci-fi, eles devem ter pêgo uma capa descartada de um jogo de Dungeons and Dragons, adaptado e reaproveitado. É a única coisa que faz sentido pra mim.Q

Outra vez em que as duas capas são bonitas. Não sei se a cara de mau do Donald na versão americana (direita) combina com o personagem, mas no jogo ele é uma espécie de Indiana Jones, então acho que nesse jogo combina. O conceito das duas capas é o mesmo e a realização ficou boa em ambas.S3

Shinobi 3 é chamado de Super Shinobi 2 no Japão, como se vê na capa da esquerda. Apesar de ambas serem capas bonitas, a japonesa tem muito mais a ver com o que é ser um ninja, mas a americana tem mais a ver com o jogo em si, que é mais um jogo de ação do que uma simulação da vida ninja. Apesar disso, acho a versão americana ‘hollywood’ demais, e acho que a capa mais oriental (claro!) japonesa combina mais.
SF

Sobre essas capas, a japonesa é bonita, mas é tão vazia, parece que falta alguma coisa, e também parece mal desenhada. Já a americana (direita)… parece de um filme de comédia. Digo, o que está acontecendo ali? Eles vão dançar Moonwalker? Não, espera, esse é outro jogo. Bem, melhor ir pro próximo, né… deve melhorar…SF2

Retiro o que disse. Quer dizer, a capa americana é lindíssima, mas o personagem do segundo jogo é banguelo e eu não sei? Pelo menos é o que parece na capa americana (direita).SF2SCE

Sou parcial com relação à capa da direita, a americana, por que ela é a arte do cartucho brasileiro e eu tive ele por muito tempo. Talvez até seja por isso que eu acho essa capa melhor, mas a nipônica é muito esquisita. Por que o Ryu está com um olho maior que o outro? A versão americana tem ação, e eu acho que fita com a temática do game.SSF2

Também prefiro a capa americana (direita) da continuação/expansão do Street Fighter 2, é minimalista, misteriosa, mas passa uma ideia de jogo de luta. A capa em anime original não faz muito isso e parece conter imagens aleatoriamente escolhidas e montadas de qualquer jeito. São imagens bonitas, mas não parecem conversar bem entre si. E agora eu sou um analista conceituado de capas.SoR

Streets of Rage ou Bare Knuckle, como é conhecida no Japão, é um problema. A capa japonesa (esquerda) até tenta imitar o que está dentro do jogo mas, de alguma maneira, falha. Já a americana nem parece ter tentado.
SoR2

E as coisas continuam ruins na continuação. Quer dizer, o que é essa propaganda que o Schwazzeneger e o Stallone usariam se fosse abrir uma academia que puseram na capa da versão japonesa à esquerda? E quem são essas pessoas bêbadas em poses super estranhas na capa americana? É muita dúvida pra um jogo ótimo só!SoR3

Já a capa do 3 tem três versões de puro erro. Europeia, japonesa e americana, respectivamente. A européia se salva, perto das outras, nada particularmente memorável, mas é aceitável. Já a japonesa… pertence a um filme interativo pornô e foi posta aqui por acidente. É a teoria que eu vou seguir sobre isso. A americana também faz coisas que não se explicam. Quem é aquele senhor que tomou o lugar do Axel? Quem é essa mulher de roupa azul que tomou o lugar da Blaze? Por quê todo mundo está batendo em absolutamente nada? É uma trilogia de perguntas, gente!StH

Eu li e eu concordo que a capa japonesa (esquerda) parece de um jogo de matemática, e a dos três jogos de Sonic parece. Já a capa americana (meio) combina perfeitamente com o ouriço e com o jogo. A européia até que combina, mas é tão vazia, com esse fundo de livro-de-colorir, que sei lá viu…StH3

A capa japonesa continua sendo de fazer contas, a americana continua espetacular e a euroéia melhorou bastante. Mas eu contei quatro dedos Sonic, você está me confundindo.TMNT

As três capas são bonitas. A japonesa (primeira) é a menos bonita e eu não me lembro de algo parecido com isso acontecendo no jogo. A do meio, que é a americana, é muito bonita, tudo a ver com jogo, mas é meio ‘dark’ e o jogo é todo alegre. A européia foi a que mais acertou nessa capa, por que tirando o fundo genérico a personalidade das TMNTs está perfeita nessa capa.

Isso é tu tu tu tu tu tu, isso é tu tu tu tu tu tu… ainda não, pessoal…

384128-blaze_large384084-axel_largeAdam1
Me fala que aqueles personagens das capas do SoR parecem esses aí?

Landstalker - The Treasures of King Nole000E esse é Nigel. Vê se você ousa me dizer que parece com aquele tiozão da capa americana do Landstalker.

Melhor não, né.

Enfim, me despeço.

Falou, pessoal! Até a próxima!

Sega CD, 32-X e o Mega Drive 26 de julho de 2015

Posted by bluepasj in INUTILIDADES.
Tags: , , , , , ,
add a comment

Brutal Paws of Fury: Lançado originalmente no Sega CD, depois foi portado para os outros consoles. O jogo tem a jogabilidade muito ruim, mas  a empresa realmente queria que ele desse certo, por que o publicou em tudo quanto é console. O diferencial do mesmo, além dos lutadores animais, é que você aprende os golpes enquanto avança, logo não tem acesso aos golpes especiais desde o início. A versão do Mega Drive perde algumas coisas que a versão SCD tem, como um personagem (o Pantha), sons e sequencias em FMV, por exemplo. A jogabilidade, por sua vez, teve pequenas melhorias na versão MD. Já a versão 32X se chama Brutal Unleashed: Above the Claw. Ela tem dois personagens a mais, gráficos melhores, mas perdeu muitas coisas em relação à versão SCD.Brutal MD SCD 32X

Chuck Rock/Chuck Rock 2: Criado pela Core Design, que mais tarde viria a criar Tomb Raider, CR é um jogo pré-histórico portado pela Virgin para o MD e pela Sony Imagesoft para o SCD. Ambos tem muito poucas melhorias no Sega CD em relação ao Mega Drive.
Chuck Rock MD SCD

Chuck Rock 2 MD SCD

Earthworm Jim: A versão do Sega CD, chamada Special Edition, tem as fases estendidas em uma nova acrescentada e mais frames de animação, além da sonoridade de CD que todos os jogos de SCD apresentam.Earthworm Jim MD SCD

Ecco the Dolphin/Ecco 2 Tides of Time: A versão SCD do primeiro apresenta novos níveis e os originais redesenhados. Já o segundo teve menos mudanças em relação ao MD.Ecco the Dolphin MD SCD

Ecco 2 MD SCD

Fatal Fury 2/Fatal Fury Special: A versão do SCD é o port de uma versão que traz de volta personagens (Duck King, Tung Fu Rue) e te deixa jogar com os chefes. Tirando isso, há frames demais perdidos nos personagens e nos cenários, tornando FF2 um port melhor. O que se explica pelo fato de que os ports foram feitos por empresas diferentes.Fatal Fury 2 - Special MD SCD

Fifa International Soccer/Fifa Soccer’ 96: Internation para Sega CD é traz poucas coisas a mais que a versão MD, como músicas arranjadas. Mas também traz problemas como loadings (que existem em quase todos os jogos do consoles) e um visual ‘lavado’. Já o Fifa 96 do 32X foi lançado apenas na Europa, feito pela Probe e é um jogo em 3D. Considerando o que era o 3D naquela época, e as baixas capacidades do 32X, é de se esperar que ele não seja tão bom. Animações e câmeras ruins e uma inteligência artificial inconstante sumarizam esse jogo.
Fifa International MD SCD

Fifa Soccer 96 MD 32X

Flashback: The Quest for Identity: A melhor versão do jogo até o momento. A versão SCD usa suas capacidades para FMV criando videos animados bastante melhores que os do MD. Há vozes e músicas, também, nessa versão.Flashback The Quest for Identity MD SCD

Mickey Mania: Timeless Adventures of Mickey Mouse: A versão CD desse, além de músicas em CD e mais vozes (e loadings) também tem uma fase a mais. E essa fase é boa. Fora isso, é exatamente o mesmo jogo.Mickeymania MD SCD

Mortal Kombat/Mortal Kombat 2: Há mais detalhes na versão Mega CD de MK, mais frames de animação e mais vozes, mas as músicas estão nos estágios errados. Os loadings dessa versão não são tão intrusivos quanto em outros jogos do sistema, mas na luta final contra Shang Tsung, toda vez que o mesmo se transforma há um loading. Já o port do 32X de MK2 é muito bom, com gráficos bastante melhor e, também, sonoridade bastante melhor. E mantendo a jogabilidade fluida característica do MD.Mortal Kombat MD SCD

Mortal Kobmat 2 MD 32X

Pitfal: The Mayan Adventure: A versão SCD e a MD são basicamente a mesma coisa incrível, exceto por fases extras. Já no 32X existe apenas uma fase extra e os gráficos são um pouco melhores.Dito isso, o framerate da versão 32X é problemático.
Pitfall MD SCD 32X

Road Rash: No Sega CD os gráficos são melhores, com detalhes extras e mais variedade adicionada. Variedade também foi adicionada nos modos de jogo, expandindo o jogo.Road Rash MD SCD

Samurai Shodown: Não parece ter diferenças consideráveis, apesar de ser um port mais fiel do acade (como pode-se ver na tela abaixo). Ela também não tem o personagem Earthquake, devido provavelmente a uma limitação de tamanho de sprite que geraria slowdown. E ela também não tem o zoom do arcade, o que acho uma omissão inesperada.Samurai Shodown MD SCD

Spider-Man Vs. Kingpin: Há muitas melhorias na versão CD em relação ao jogo original do Mega Drive. E isso vai além da melhoria sonora e gráfica. Apesar disso, a versão MD ainda tem elementos inexistentes nessa versão, como a possibilidade de tirar fotos e ir à casa de Peter Parker. Mas a versão de SCD é diferente, principalmente, por ser mais não-linear.Spiderman Vs. Kingpin MD SCD

s web of fire 32xJá o 32X só ganhou o não-tão-memorável Spider-Man Web of Fire, que está aqui apenas para motivos de completude pois é um jogo diferente, e apesar de decente, é terrível se comparado aos vs. Kingpin.

Virtua Racing: A versão 32X, chamada Deluxe, e ela tem três tipos de carro: fórmula-1 (o único existente na versão MD), stock-car e protótipo. Essa versão apresenta, ainda, melhores gráficos, jogabilidade, e mais visões de câmera.Virtua Racing MD 32X

‘MK de Mega tinha jogabilidade melhor’, diz Ed Boon 15 de agosto de 2014

Posted by bluepasj in DRIVE NEWS, INUTILIDADES.
Tags: ,
add a comment

Notícia meio old, mas só agora eu vi.

boon

Em resposta a um tweet sobre a possibilidade de MK1 no Virtual Console do Wii U.

A tradução do que é dito no tweet dele (que é um dos criadores e mantenedores de MK):

“Também, o MK1 de SNES não tinha jobabilidade tão boa quanto a versão do Genesis (…)”.

Joystick do Mega Drive – uma análise 12 de agosto de 2011

Posted by bluepasj in dym, GENESISTÓRIAS, INUTILIDADES, REVIEW.
6 comments

O joystick do Mega Drive é, sempre foi, sempre será, na minha provavelmente certa opinião, um dos melhores joysticks de sempre. Mas lembrando que esse tão querido videogame teve dois controles diferentes. O primeiro foi o de 3 botões e depois corrigiram com o de 6. Vamos falar deles em separado?

Controle de 3 botões

Perfeito... nos 8bits

Na época de 8 bits, com a simplicidade dos games, não se precisava de muitas teclas para nada. Mas obviamente na era seguinte os jogos iriam ficar mais complicados. Só que como o MD foi o primeiro console 16-bits, teve que vir com tudo e a Sega acabou deixando o joystick só com três teclas de ação, mais star e a tecla direcional. Logo (principalmente com o advento dos jogos de luta) se tornou muito pouco. Mas o joystick de 3 teclas é um bom controle, só não é bom para jogos de luta. Em, Street Fighter 2, por exemplo, você tem que apertar Start pra trocar entre soco e chute. Um saco! O tamanho dele também é grande, enorme, o que gera algum desconforto. Além disso, em alguns deles, na tecla D (direcional) tem umas setinhas em alto relevo que machucam o dedo. Mas não só de erros viveu esse primeiro joystick. Dois acertos gigantescos foram feitos: a tecla direcional redonda de 8 direções acessíveis, que faz com que controlar o personagem se torne beeeeem mais suave, na verdade é a melhor tecla D que eu já vi. E o outro acerto foi o formato de feijão ou bumerangue, que é bem ergonômico e encaixa na mão (formato esse aperfeiçoado pelo Playstation). Outro detalhe que vale mencionar é que as teclas são nomeadas numa muito sensata ordem alfabética crescente (ABC). E… a cor preta suja menos.

Controle de 6 botões

Tecla D = perfeição!

Uma grande evolução. Mantém todas as grandes características do 3-botões e evolui sua fraqueza, adicionando mais três teclas (XYZ). Tem versões com e sem as infames setinhas em alto-relevo na tecla D. Como o controle é bem menor que o anterior, é mais fraco também. Apesar de que os originais que vem no console são muito bons, ainda assim são mais fracos que os de 3 botões. O maior problema disso é a fragilidade da tecla D. Por ser inteiriça, não tem muito que segure ela de ser forçada a girar. O que faz com que a travinha bem fraquinha, que impede que ela gire, se quebre. O que, aliás, inutiliza essa tecla. Ter a melhor tecla direcional de todos os tempos não veio sem um preço, como se pode notar. Felizmente, o preço de um joystick de 6 botões pirata é bem baratinho.

Na questão da concorrência, eu creio que a tecla D E o formato são sem igual na época. A fragilidade é, realmente maior do que os joysticks da concorrência, embora os de Snes endureçam facilmente (ouvi dizer que limpando ficam como novos de novo).

Além disso, destaca-se o fato de que não tem teclas de ombro. Isso, a meu ver, não é bom nem ruim. Como opinião PURAMENTE pessoal, eu não gosto de teclas de ombro em controles finos, porque fica desconfortável pra se apertar ela. Acho que elas funcionaram no joystick do PSX porque são duas de cada lado, ou seja, ele é grosso, o que te dá mais onde se segurar pra apertar as teclas de ombro.

Resumindo, os joysticks são mais uma das grandes características do MD. Muito bem feitos (os de 6 botões – os definitivos), são uma ótima exaltação da jogabilidade calibrada do Meguinha, proporcionada pelo processador mais veloz.


Update. Um colega meu me revelou outro detalhe interessante, que revela o esmero da Sega no joystick do MD. Há uma proteção que impede a borracha da tecla D de ser amassada e estragar. Mais um ponto a favor de ser a melhor tecla D já feita.

P.S.: Teoria: Eu acho que o analógico é uma evolução natural da tecla D do Mega Drive, sabe? Tipo, coincidentemente foi feito assim, mas eu acho que se fossem pensar numa evolução natural da tecla D do Meguinha iria ser o analógico. Mas eu ainda prefiro o direcional do Mega do que analógico (aliás eu nem gosto de analógico e me irrita o fato de a maioria dos jogos atuais te obrigar a jogar com ele).

Empresas e seus Jogos 28 de maio de 2011

Posted by bluepasj in INUTILIDADES, LISTAS.
Tags: , , , , , , , , ,
add a comment

Capcom: A Capcom meio que tinha um acordo com a Nintendo. Mas usou de vários meios pra burlar esse acordo. Por exemplo, sendo a Sega a adaptar alguns games para o MD. Para o Meguinha a Capcom lançou dois games de sua mais aclamada série no momento, Street Fighter 2. Também teve o ótimo jogo de guerra Mercs, que ficou só no Mega mesmo e era uma adaptação de arcade. E teve o Mega Man Willy Wars, remake dos Megaman de Nes.

Konami: Sempre foi uma das melhores no que faz. O mega recebeu dela Contra- Hard Corps, uma versão de Contra que tem muitas coisas que nenhuma outra tem. O mascote Sparkster –Rocket Knight Adventures, em sua melhor forma. As tartarugas ninjas, com um jogo de luta e um beat’em up. Castlevania –Bloodlines, outro jogo que tem muitas coisas que nenhum outro na série teve, como menos censura, por exemplo. E International Superstar Soccer Deluxe, de futebol.

 

Treasure: A Treasure foi a que mais se aproveitou das qualidade do console. Teve o inacreditável Gunstar Heroes. O McDonald’s Treasure Land Adventure, um jogo de aventura platformer com Ronald McDonald. Teve o mascote Dynamitte Headdy, bastante impressionante. Light Crusader, um RPG/Ação com gráficos medianos e todo o resto acima da média. E YuYu Hakusho Maykyo Toitsusen, que foi um jogo de luta excepcional. E o Alien Soldier, um jogo de tiro dificílimo e tão frenético quanto Gunstar.

Sega: A própria Sega foi uma das empresas que mais investiu no Mega (claro). E pode-se dar mérito a ela por ser uma das principais mantenedoras do seu videogame. Só a série Sonic já faz dela o grande trunfo da caixa-preta de 16-bit. Outras franquias foram Shinobi, Golden Axe e Streets of Rage. Esses 4 games podem ser considerados o quarteto de ouro do Mega. A Sega ainda lançou o irreverente Toejam e Earl (outro jogo engraçadinho, que ficou só no Japão, foi Rent-a-Hero). Comix Zone, Vectorman, Eternal Champions… . Ela fazia todo tipo de jogos muito bem. De corrida teve Super Monaco GP. De RPG teve Phantasy Star e Shining Force. Foi a Sega quem adaptou o pato Donald e fez um dos melhores jogos que ele já teve, Quackshot, assim como a série Illusion, do Mickey. Ristar e Ecco são só dois outros personages fantásticos criados pela Sega.

Disney: Criados ou não pela poderosa dos desenhos, os personagens Disney marcaram presença aqui. Não só tivemos Quackshot, World of Illusion e Castle of Illusion, como muito mais. Teve Beauty and the Beast (A Bela e a Fera, duas versões, uma da bela (Belle’s Quest) e da fera (Roar of the Beast)), Pinocchio, Pocahontas… e esses são os mais desconhecidos. Teve Lion King, um múltiplataforma muito bom. E o ótimo Donald Duck in Maui Mallard. O também ótimo Mickeymania. E Aladdin, que foi aclamadíssimo à época. The Jungle Book (O Livro da Selva) também ficou ótimo como jogo.

EA: A Electronic Arts foi, junto com a Sega, um dos mais importantes motivos para o sucesso do console. Com seus jogos de esportes, tão valorizados nos EUA. E também, os temas fora-da-lei e levemente imorais… . Podemos nos lembrar de Skitchin e Road Rash como seus maiores. Teve também a série Mutant League, com dois jogos: um de hockey e um de football. E o não-tão-bom-assim mascote James Pond. Além de BOB, outro mascot. Teve ainda a série de futebol Fifa Soccer.

Namco: Não fazia muitos jogos àquela época. Dela temos Splatterhouse. E Weaponlord, de luta. E um Pac-Man.

Lado-a-Lado 10 de fevereiro de 2011

Posted by bluepasj in CURIOSIDADES, dym, INUTILIDADES, LISTAS.
Tags: , , , ,
2 comments

MK 2 32X – MK 2

Sonic 3 – Sonic the Hedgehog

Revenge of Shinobi – Shinobi 3

Streets of Rage – Streets of Rage 3

Super Street Fighter 2 – Street Fighter 2

Mortal Kombat – Ultimate Mortal Kombat 3

Road Rash – Road Rash 3

Phantasy Star 2 – Phantasy Star 4

Vectorman – Vectorman 2

Sparkster – Roket Knight Adventures

Urban Strike – Desert Strike

Eternal Champions – Eternal Champions Challenge from the Dark Side